AULAS REMOTAS: Professores e alunos se adaptam às novas ferramentas de ensino

#PraCegoVer - Mão segurando celular com conteúdo educacional voltado para alunos da rede municipal de ensino

AULAS REMOTAS: Professores e alunos se adaptam às novas ferramentas de ensino

Secretaria municipal de educação desenvolve ações durante e pós pandemia

 

Nessa quinta-feira (25), a secretária municipal de educação, Fátima Ulhôa, recebeu os diretores das 38 escolas do município, para alinharem as novas metodologias de ensino, durante a pandemia da Covid-19. O encontro foi realizado em dois turnos. Os participantes tiveram a oportunidade de apresentar estratégias, pensar em novas formas para manter o rendimento dos alunos, mesmo a distância.

Em Paracatu, grande parte dos 9032 alunos da rede municipal de ensino está assistindo às aulas online, desde março. “Este foi um grande desafio, mas, tivemos que nos adaptar às novas ferramentas de ensino, para não deixar nossos alunos prejudicados”, diz a secretária.

Segundo ela, a maior dificuldade foi em relação aos alunos da zona rural, por causa do acesso à internet, mas, foram distribuídos os PET´s (Planos de Estudo Tutorado) e as atividades complementares.  “Nossos diretores e professores são grandes parceiros e estão de parabéns, eles encontraram formas de incrementar, com uma linguagem mais acessível. Tudo isso demanda muito tempo e criatividade”, elogia.

A secretária ainda destacou a importância de as escolas estarem preparadas para o retorno. “Não podemos ser pegos de surpresa, por isso, estamos preparando o nosso plano educacional. De acordo com o governo estadual, as aulas podem retornar no final de agosto, com restrições de distanciamento e higienização, isso envolve toda uma logística, que precisa estar pronta”, enfatiza.

 

 

Durante a reunião, o diretor da Escola Municipal Cacilda Caetano de Souza, Diego Resende, apresentou ferramentas do Google para complementar e facilitar a vida dos professores. Neste primeiro momento, os diretores aprenderam a realizar formulários, em que podem ser feitas as chamadas, pesquisas, avaliações e atendimento aos alunos e comunidade. “A escola já está trabalhando com essas ferramentas durante às aulas remotas. Preparamos os documentos para que possamos enviar os links para alunos e responsáveis. Eles respondem do celular mesmo. Além de facilitar o trabalho, atende às determinações de precaução à COVID - 19”, disse.

Escola e família

Hellen Conceição Cardoso Soares, diretora da Escola Municipal Leonor Ulhôa Victor Rodrigues, no bairro Alto do Córrego, explica que as aulas estão sendo realizadas por meio de grupos de whatsapp. “Cada professor montou a sua sala de aula e tem os horários de atendimento. São postadas atividades, são feitas as chamadas e temos o feedback dos alunos e pais ou responsáveis. Estamos alcançando em torno de 90% dos alunos”, declara.

A professora de educação física, Vanessa Laualler, está abusando da criatividade para manter os alunos em movimento. “Eu busco sempre estar inovando, estudando mais em cima da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), trazendo novidades, em algo que chame atenção não só da criança, como da família pra estar auxiliando o aluno”, descreve.

A professora conta, ainda, que no início, achou que seria um pouco difícil, mas, na prática não foi assim. “Eu sempre tiro um dia pra estar planejando a aula e materiais a serem utilizados, e um ou dois dias inteiros pra dedicar somente nas gravações e edições de vídeo. Confesso que os pais estão me surpreendo muito, acompanham as crianças, incentivam, demonstram interesse, até participam também das atividades de educação física com a criança, é muito gratificante”, salienta.

Eleuza Xavier de Melo Carneiro é avó da Lara Isabelle, de 10 anos, do quinto ano. Ela acompanha a neta nas aulas remotas e diz que esta alternativa é muito válida, pois as crianças estão vendo os conteúdos diariamente. “A Lara está conseguindo cumprir as metas, dentro do planejamento enviado pelos professores. Quando ela não entende, a gente volta na explicação e assim a gente vai seguindo o cronograma. O importante é não deixar as crianças ociosas em casa”, fala.

Lara diz que está gostando de aprender em casa. “Eu preciso aprender os novos conteúdos da minha série, para não perder o ano. Sinto saudade, porque eu gosto muito da minha escola, da minha professora e meus colegas. A primeira coisa que vou fazer, quando voltarem as aulas, é abraçar todos”.

Zona Rural

Camila Pereira Dias, mãe do aluno Cauã Reginaldo, de sete anos, conta que as aulas online têm sido um desafio para os dois. O garoto está no segundo ano, estuda na Escola Municipal José Simões Cunha, na comunidade Nova Lagoa Rica. “É uma novidade pra gente e temos muitas dificuldades. O sinal da internet é péssimo e eu consigo auxiliar um pouco. Ele indo para a escola é mais fácil, lá ele aprende mais”, reclama.

Cristina Carvalho Melido é diretora da Escola Municipal Frei Brocardo, na região da Contagem. Segundo ela, no início da suspensão das aulas presenciais, os PET´s foram impressos e 100% dos alunos receberam. Foram criados grupos de whatsapp, mas, não são todos os alunos que têm acesso. “A dificuldade na zona rural é em relação à internet, nem todos conseguem acessar. Além disso, muitos pais têm dificuldades para acompanhar, ensinar e orientar os alunos. Estamos nos preparando para recolher a primeira parte das atividades, para avaliar como foi o rendimento deles. Confesso que por ser uma comunicação muita nova para eles, está sendo mais difícil”, relata.

A diretora está otimista, quando tudo isso passar. “Acredito que a educação vai ganhar muito, na questão da valorização do professor no dia a dia, em sala de aula”, diz.

 

ASCOM/SEGOV 

Prefeitura de Paracatu 

Mais trabalho. Novas realizações.

 

VER TODAS NOTÍCIAS

Deixe um Comentário