COVID-19: PARACATU COMEÇA A VACINAR PESSOAS DE 55 A 59 ANOS COM COMORBIDADES NA SEGUNDA, 17 DE MAIO

Quem for vacinar precisa levar cópia de laudo, atestado ou receita médica

COVID-19: PARACATU COMEÇA A VACINAR PESSOAS DE 55 A 59 ANOS COM COMORBIDADES NA SEGUNDA, 17 DE MAIO

#ParaTodosVerem - Calendário de vacinação

Pessoas com idade entre 55 a 59 anos e portadoras de comorbidades começam a receber a primeria dose de vacina contra a Covid-19 na segunda-feira, 17 de maio. A vacinação deste público segue na terça-feira (18), na quinta-feira (20) e sexta-feira (21). A Secretaria Municipal de Saúde destaca que a execução deste calendário depende da disponibilidade de doses de vacina.

 

Quem for vacinar precisa ter em mãos RG, CPF e, se tiver, a carteira de vacinação. Além disso, é necessário levar algum comprovante de sua comorbidade. Serão aceitos: laudos médicos, atestados médicos ou receita de medicamentos, emitidos até seis meses antes da data de vacinação.

 

É necessário levar uma cópia do documento comprobatório da comorbidade. A cópia deverá ser entregue no posto de vacinação. Essa medida é fundamental para evitar possíveis furas-fila.

 

Na segunda e na terça-feira, a aplicação da 1ª dose deste público acontece em esquema Drive-Thru, de 8h30h às 16h, em três pontos da cidade:

- Centro de Hemodiálise, Avenida Bias Fortes nº 385, Bandeirantes.

- PSF - Vila Mariana, Rua Eliseu Oswaldo Macedo, 600, Vila Mariana.

- PSF – Bela Vista, Rua Bela Vista, 677, Bela Vista.

 

Nos mesmos dias,  vacinação também acontece em fila tradicional (para quem não estiver de carro), de 8h30 às 16h, na Clínica da Mulher:

- Clínica da Mulher, R. Joaquim Murtinho, S/N – Amoreiras.

 

Na quarta-feira (19), será a vez dos profissionais de saúde, de segurança e salvamento receberem a segunda dose do imunizante. Serão vacinados os profissionais que receberam a primeira dose em 17/02, 19/02 e 20/04. A vacinação deste público acontece em esquema Drive-Thru e em fila tradicional, de 8h às 12h, no Centro de Hemodiálise.

 

O que são comorbidades?

Comorbidades são doenças pré-existentes que podem agravar o quadro de saúde de uma pessoa com Covid-19.

 

Como comprovar a comorbidade?

As comorbidades devem ser comprovadas por meio de laudos médicos, atestados médicos ou receitas de medicamentos, emitidos até seis meses antes da data de vacinação. Na hora da vacinação é importante levar uma cópia do documento, que deverá ser entregue no local de vacinação. Essa medida é fundamental para evitar possíveis furas-fila.

 

Confira a lista de comorbidades consideradas para esta etapa da campanha de vacinação:

 

DIABETES MELLITUS: qualquer tipo de diabetes;

PNEUMOPATIAS CRÔNICAS GRAVES: doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), fibrose cística, fibroses pulmonares, pneumoconioses, displasia broncopulmonar e asma grave (com uso recorrente de corticoides sistêmicos, internação prévia por crise asmática);


HIPERTENSÃO ARTERIAL RESISTENTE (HAR):
 quando a pressão arterial (PA) permanece acima das metas recomendadas com o uso de três ou mais anti-hipertensivos de diferentes classes, em doses máximas preconizadas e toleradas, administradas com frequência, dosagem apropriada e comprovada adesão. Ou pressão arterial controlada em uso de quatro ou mais fármacos anti-hipertensivos;


HIPERTENSÃO ARTERIAL ESTÁGIO 3:
 quando a pressão arterial (PA) sistólica é maior ou igual a 180mmHg e/ou a diastólica maior ou igual a 110mmHg, independentemente da presença de lesão em órgão-alvo (LOA) ou comorbidade;


HIPERTENSÃO ARTERIAL ESTÁGIOS 1 E 2 COM LOA E/OU COMORBIDADE:
 quando a PA sistólica fica entre 140 e 179mmHg e/ou diastólica fica entre 90 e 109mmHg,na presença de lesão em órgão-alvo (LOA) e/ou comorbidade;

 

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA (IC): insuficiência cardíaca com fração de ejeção reduzida, intermediária ou preservada, em estágios B, C ou D, independentemente de classe funcional da New York Heart Association;

 

COR PULMONALE E HIPERTENSÃO PULMONAR: cor pulmonale crônico, hipertensão pulmonar primária ou secundária;

 

CARDIOPATIA HIPERTENSIVA: cardiopatia hipertensiva (hipertrofia ventricular esquerda ou dilatação, sobrecarga atrial e ventricular, disfunção diastólica e/ou sistólica, lesões em outros órgãos-alvo);

 

SÍNDROMES CORONARIANAS: síndromes coronarianas crônicas como angina pectoris estável, cardiopatia isquêmica, pós-Infarto agudo do miocárdio e outras;

 

VALVOPATIAS: lesões valvares com repercussão hemodinâmica ou sintomática ou com comprometimento miocárdico, como estenose ou insuficiência aórtica, estenose ou insuficiência mitral, estenose ou insuficiência pulmonar, estenose ou insuficiência tricúspide, e outras;

 

MIOCARDIOPATIAS E PERICARDIOPATIAS: miocardiopatias de quaisquer etiologias ou fenótipos, pericardite crônica, cardiopatia reumática;

 

DOENÇAS DA AORTA, DOS GRANDES VASOS E FÍSTULAS ARTERIOVENOSAS: aneurismas, dissecções, hematomas da aorta e demais grandes vasos;

 

ARRITMIAS CARDÍACAS: Arritmias cardíacas com importância clínica e/ou cardiopatia associada, como fibrilação e flutter atriais e outras;

CARDIOPATIAS CONGÊNITAS NO ADULTO: cardiopatias congênitas com repercussão hemodinâmica, crises hipoxêmicas, insuficiência cardíaca, arritmias, comprometimento miocárdico;

 

PRÓTESES VALVARES E DISPOSITIVOS CARDÍACOS IMPLANTADOS: portadores de próteses valvares biológicas ou mecânicas e dispositivos cardíacos implantados, como marca-passos, cardiodesfibriladores, ressincronizadores, assistência circulatória de média e longa permanência;

 

DOENÇA CEREBROVASCULAR: acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico, ataque isquêmico transitório, demência vascular;

 

DOENÇA RENAL CRÔNICA: doença renal crônica estágio 3 ou mais, com taxa de filtração glomerular menor que 60ml/ min/1,73m2 e síndrome nefrótica;

 

IMUNOSSUPRIMIDOS: indivíduos transplantados de órgão sólido ou de medula óssea, pessoas vivendo com HIV, independentemente da contagem de linfócitos T CD4+ e que não foram vacinadas previamente contra a Covid-19, doenças reumáticas imunomediadas sistêmicas em atividade e em uso de dose de prednisona ou equivalente maior que 10mg/dia ou recebendo pulsoterapia com corticóide e/ou ciclofosfamida, demais indivíduos em uso de imunossupressores ou com imunodeficiências primárias, pacientes oncológicos que realizaram tratamento quimioterápico ou radioterápico nos últimos seis meses, neoplasias hematológicas;

 

ANEMIA FALCIFORME: Anemia falciforme;

 

OBESIDADE MÓRBIDA: pessoa com Índice de Massa Corpórea (IMC) maior ou igual a 40;

 

SÍNDROME DE DOWN: trissomia do cromossomo 21;

 

CIRROSE HEPÁTICA: cirrose hepática Child-Pugh A, B ou C.

 

Assessoria de Comunicação

Um Novo Tempo Para Todos

VER TODAS NOTÍCIAS

Deixe um Comentário